10/09/2015

Resenha | Invisível (David Levithan & Andrea Cremer)


Oi, pessoas! Recentemente acabei o livro Invisível e precisei resenhar. Além de que uma pessoa do insta pediu, então fiquei meio apreensiva porque a resenha não seja tão boa haha.



ISBN-10: 8501403229
Ano: 2014 / Páginas: 322
Idioma: português
Editora: Galera Record

Sinopse: Stephen passou a vida do lado de fora, olhando para dentro. Amaldiçoado desde o nascimento, ele é invisível. Não apenas para si mesmo, mas para todos. Não sabe como é seu próprio rosto. Ele vaga por Nova York, em um esforço contínuo para não desaparecer completamente. Mas um milagre acontece, e ele se chama Elizabeth.
Recém-chegada à cidade, a garota procura exatamente o que Stephen mais odeia. A possibilidade de passar despercebida, depois de sofrer com a rejeição dos amigos à orientação sexual do irmão. Perdida em pensamentos, Elizabeth não entende por que seu vizinho de apartamento não mexe um dedo quando ela derruba uma sacola de compras no chão. E Stephen não acredita no que está acontecendo… Ela o vê!

Vamos dizer que esse livro foi quase um desapontamento pra mim. Não porque ele é ruim (eu classifiquei ele como “Bom” na minha cabeça, 3 estrelas), mas porque esse é o meu famoso caso de “esperava uma coisa e aconteceu outra”. Eu tenho essa mania de ler a sinopse só quando compro, pra conferir se eu realmente tenho interesse naquele livro. Mas, como geralmente eu acabo demorando um tempo pra ler, fico só com um vago conhecimento da história. Invisível não foi diferente. Eu lembrava que tinha um garoto invisível e pela primeira vez na vida alguém o vê, uma garota por quem acaba se apaixonando. E parava por aí.

A história é boa, mas acabei esperando por um romancezinho comum, uma história contemporânea de romance. Mas, esse livro acabou surpreendendo por incluir um pouco de fantasia. Acabei desanimando um pouco com essa presença, ainda mais que dá explicações de porque Stephen é invisível e que talvez há uma maneira de consertar isso. Eu esperava algo mais como Todo Dia, outro livro de Levithan, que tinha uma situação e é assim que é: não há fantasia (apesar de a própria situação ser uma), não há muitas explicações. Não é que eu não gosto de fantasia, na verdade eu adoro livros com esse tema, mas achei que deveriam ter seguido por outro caminho nesse livro.

Acredito que um dos pontos fortes de Invisível foi o desenvolvimento do relacionamento de Stephen e Elizabeth (ou Jo ou Josie), que foi bem explorado, apesar de deixar um pouquinho a desejar porque podia ser explorado ainda mais. E também algo legal foi os temas da sexualidade, das relações familiares, etc., que também acho que podiam ser expostas um pouco mais. Acredito também que deviam ter explorado um pouquinho mais os personagens secundários (que não são tão secundários assim), como o Laurie (irmão de Elizabeth), Mallie e Saul.

Uma coisa que não apreciei muito nesse livro é que com a introdução da magia (Stephen é invisível por causa de uma maldição), acabaram perdendo o foco sobre o Stephen ao introduzir uma grande revelação sobre Elizabeth. Na verdade, o foco continua sendo o Stephen, só que de uma forma tão mais sutil que me incomodou.
Em geral, o livro foi bom, e só estou julgando por coisas que eu não gostei ou me incomodaram mesmo, que acabaram deixando minha leitura um pouco arrastada. Recomendo o livro pra quem não se importa de se surpreender um pouquinho sobre o rumo da história.

Nota:



Nenhum comentário:

Postar um comentário