13/12/2015

Resenha | A Pirâmide Vermelha (Rick Riordan)




Oi, gente! Recentemente eu li A Pirâmide Vermelha do Rick Riordan, o primeiro livro da série As Crônicas de Kane. Essa era a única série mitológica do tio Rick que ainda não tinha lido, e confesso que não gostei tanto quanto eu esperava...



Sinopse: Os irmãos Carter e Sadie Kane vivem separados desde a morte da mãe. Sadie é criada em Londres pelos avós, e Carter viaja o mundo com o pai, o Dr. Julius Kane, um famoso egiptologista. Levados pelo pai ao British Museum, os irmãos descobrem que os deuses do Egito estão despertando. Para piorar, Set, o deus mais cruel, tem vigiado os Kane. A fim de detê-lo, os irmãos embarcam em uma perigosa jornada - uma busca que revelará a verdade sobre sua família e sua ligação com uma ordem secreta do tempo dos faraós.

ISBN-13: 9788598078977
ISBN-10: 8598078972
Ano: 2010 / Páginas: 448
Idioma: português
Editora: Intrínseca



Como disse ali em cima, eu pensei que ia gostar bem mais do livro. Só lá pelos últimos capítulos que eu comecei a me envolver mais com a história. Acredito que um ponto que tenha contribuído é o fato de meu conhecimento sobre a mitologia egipícia ser quase igual a zero. Não sei quase nada, então a leitura foi cheia de descobertas, porém achei algumas coisas muito estranhas, como por exemplo o fato dos deuses poderem ser hibrídos (metade humano, metade animal, como naqueles desenhos egipícios: corpo humano mas a cabeça de um gato).

Algo que achei meio ruim também sobre o livro é ele ter mais ou menos a mesma estrutura dos outros livros mitológicos de Riordan: A pessoa não sabia absolutamente nada sobre pertencer a um mundo diferente, ela aprende na marra, e tem que lutar contra uma força do mal que pretende dominar/destruir/qualquer coisa o mundo. Com isso, esse personagem sempre tem um prazo para passar por todos os desafios em seu caminho para chegar no local onde a grande força do mal pretende finalmente cumprir seu objetivo. E tudo isso sempre acompanhado de um prazo apertado.

Apesar dessa estrutura parecida, o livro não desaponta em trazer aventura, o que é exatamente o gênero do livro. Além de que dá pra aprender um pouquinho sobre a mitologia egipícia de uma forma mais divertida.

Considerando o livro como todo, minha nota é:



Nenhum comentário:

Postar um comentário